Alice, de Burton

Nada parece tão enfadonho que o final não possa piorar

Johnny Depp, mais uma vez hipermaquiado, faz o Chapeleiro Maluco

Alice no País das Maravilhas (Alice in Wonderland, 2010) era uma das maiores apostas do ano. Dentro dos estúdios da Disney, um orçamento de 200 milhões de dólares daria nova vida à história original escrita pelo inglês Lewis Carroll. Quem ficou responsável pelo projeto foi o competente diretor Tim Burton, responsável por bons filmes como Edward Mãos de Tesoura, Sweeney Todd, Noiva Cadáver, a nova versão de A Fantástica Fábrica de Chocolate, entre muitos outros.

Para começar, deve ficar claro que o filme não é – e nem tinha a pretensão de ser – uma adaptação do livro original. É, na verdade, uma apropriação dos seus personagens e do universo surreal criado por Carroll para contar uma história paralela que se passa alguns anos mais tarde, quando Alice está com 19 anos. Para a garota, a primeira aventura que vivera no País das Maravilhas é apenas um sonho.

Na trama, Alice (Mia Wasikowska) vai a um baile da aristocracia inglesa e descobre que será pedida em casamento por um homem com quem não gostaria de se casar. Acontece que um certo coelho branco com um relógio dourado chama a atenção da garota. Quando o pedido de casamento acontece, na frente de lordes e ladys, Alice não sabe o que fazer e foge, indo atrás do coelho. E então cai por um buraco escuro direto para o psicodélico mundo subterrâneo, que não lembra ter visitado no passado.

Quando chega, descobre que o Glorian Day se aproxima e todo mundo que é contra a ditadura da cabeçuda Rainha de Copas (Helena Bonham Carter) quer saber se a menina é a mesma Alice que os salvou anos atrás. Afinal, segundo o “oráculo”, só a Alice pode empunhar a espada Vorpal, única arma capaz de matar o dragão Jaguadarte, maior arma do exército de Copas. Mas nem Alice sabe se ela é realmente a “escolhida”.

A Alice e seu figurino de copas. A personagem veste desde camisola até uma armadura no filme

Sempre que se fala em Tim Burton, palavras como “bizarro, excêntrico, exótico e sombrio” são imediatamente associadas às suas produções, mesmo quando direcionadas ao público infantil. Desde sempre essa associação é feita na obra do diretor, mas em Alice a fórmula dá sinais de cansaço. Parece que Burton está se repetindo, afinal até o seu ator principal é sempre o mesmo hipermaquiado Johnny Depp (que interpreta o Chapeleiro Maluco).

O visual do filme é esplêndido. O cuidado com a criação do País das Maravilhas aliado aos figurinos extremamente bem elaborados – e que estão sempre mudando – fazem o deleite visual valer a pena ver o filme na tela grande. Os contrastes entre azul e laranja, muito usados atualmente no cinema, ajudam a dar uma cara ainda mais psicodélica ao mundo descrito por Carroll e traduzido em imagens por Burton e sua equipe de arte. As criaturas e cenários construídos por animação (que não são poucas) fazem um bom trabalho, mas não chegam a impressionar.

Em compensação, o roteiro é um dos maiores problemas do filme. Embora a história esteja bem amarrada, Alice sofre com suas saídas fáceis para cada problema que encontra. Cada vez que se vê em um aparente beco sem saída, há uma criatura ou animal falante por perto para levá-la ao lugar certo. Isso dá uma leve impressão de que tudo em sua aventura acontece na hora certa. Quando o Valete vai caçá-la, lá está o Chapeleiro para escondê-la. Quando o Chapeleiro é preso, lá está um cão farejador para ajudá-la. Quando sua farsa dentro do Castelo de Copas é descoberta e alguns soldados a cercam, eis que uma fera que acabou de tornar-se amigável surge para salvá-la.

Anne Hathaway no papel de Mirana, a Rainha Branca

Na pele de Alice, às vezes falta à atriz Mia Wasikowska um pouco mais de dramaticidade. No castelo da Rainha Branca Mirana (interpretada por Anne Hathaway) Alice é chamada a assumir seu posto de “predestinada” que vai enfrentar e matar o Jaguadarte, destronando assim a Rainha de Copas. Na primeira vez que é confrontada com a situação ela foge, como fugiu do pedido de casamento, mas sem expressar convincentemente suas dúvidas, medos e angústias. Johnny Depp, de longe com o personagem mais interessante do filme nas mãos, também fica limitado pelo roteiro. Seu personagem oscila entre alguém que se finge de louco para que seu lado subversivo passe despercebido e um herói que luta usando suas ferramentas de costura.

Quando chega o Glorian Day, o filme vira uma espécie de O Senhor dos Anéis. Os soldados de cartas de copas enfrentarão as peças de xadrez do exército da Rainha Branca num tabuleiro de damas. Depois de conseguir a lendária espada Vorpal (como faz Aragorn antes de partir para a batalha final), Alice enfrenta o monstro Jaguadarte, que lembra muito o Nazgûl da trilogia do anel. Uma luta épica se inicia, e cabe perguntar se era mesmo necessário levar a história de Alice para um campo de batalha. É a velha fórmula de resolver tudo num grande confronto entre o bem e o mal. (Só para constar, a história original de Alice no País das Maravilhas não cai nesse maniqueísmo).

Quando tudo parece lindo aos olhos, mas enfadonho para a mente, Burton e Linda Wolverton, a roteirista, pisam na bola mais uma vez e estragam o final. Primeiro, com uma dança dispensável do Chapeleiro. Depois, quando Alice retorna ao mundo real, começa a despejar de uma só vez lições de moral: não espere por um príncipe encantado, o importante é ser você mesma, respeite quem você ama, e por aí vai.

Em 2008, durante a premiação do Oscar exibida pela Rede Globo, o ator e comentarista dos prêmios José Wilker se espantou quando Piratas do Caribe: No Fim do Mundo não levou a estatueta de “melhor figurino”. Disse ele: “O filme é sobre isso, figurinos e efeitos especiais, é por isso que foi feito. Não é sobre piratas, sobre uma história”. O mesmo pode ser dito sobre Alice, de Tim Burton. É um filme de efeitos, cenários e figurinos, não de grandes ideias.

Uma consideração sobre “Alice, de Burton”

  1. Várias cenas com o Chapeleiro Maluco são totalmente dispensáveis, como bem frisou o Pablo Villaça. Parece até que foi pra fazer o Depp aparecer mais vezes.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s